Domingo, 28 de Março de 2004

Ana Hatherly

Auto-retrato

Este que vês, de cores desprovido,
o meu retrato sem primores é
e dos falsos temores já despido
em sua luz oculta põe a fé.

Do oculto sentido dolorido,
este que vês, lúcido espelho é
e do passado o grito reduzido,
o estrago oculto pela mão da fé.

Oculto nele e nele convertido
do tempo ido excusa o cruel trato,
que o tempo em tudo apaga o sentido;

E do meu sonho transformado em acto,
do engano do mundo já despido,
este que vês, é o meu retrato.





Ana Hatherly

A Idade da Escrita, Lisboa, Edições Tema, 1998
publicado por CONSTALVES às 14:46
link do post | comentar | favorito

Alberto Pimenta

Balada ditirâmbica
do pequeno e do grande filho-da-puta




I

o pequeno filho-da-puta
é sempre
um pequeno filho-da-puta;
mas não há filho-da-puta,
por pequeno que seja,
que não tenha
a sua própria
grandeza,
diz o pequeno filho-da-puta.

no entanto, há
filhos-da-puta
que nascem grandes
e
filhos-da-puta
que nascem pequenos,
diz o pequeno filho-da-puta.

de resto,
os filhos-da-puta
não se medem aos palmos,
diz ainda
o pequeno filho-da-puta.

o pequeno
filho-da-puta
tem uma pequena
visão das coisas
e mostra em
tudo quanto faz
e diz
que é mesmo
o pequeno filho-da-puta.

no entanto,
o pequeno filho-da-puta
tem orgulho em
ser
o pequeno filho-da-puta.

todos
os grandes filhos-da-puta
são reproduções em
ponto grande
do pequeno filho-da-puta,
diz o pequeno filho-da-puta.

dentro do
pequeno filho-da-puta
estão em ideia
todos os grandes filhos-da-puta,
diz o pequeno filho-da-puta.

tudo o que é mau
para o pequeno
é mau
para o grande filho-da-puta,
diz o pequeno filho-da-puta.

o pequeno filho-da-puta
foi concebido
pelo pequeno senhor
à sua imagem e
semelhança,
diz o pequeno filho-da-puta.

é o pequeno
filho-da-puta
que dá ao grande
tudo aquilo de que ele
precisa
para ser o grande filho-da-puta,
diz o pequeno filho-da-puta.

de resto,
o pequeno filho-da-puta vê
com bons olhos
o engrandecimento
do grande filho-da-puta:
o pequeno filho-da-puta
o pequeno senhor
Sujeito Serviçal
Simples Sobejo
ou seja, o pequeno filho-da-puta.


II

o grande filho-da-puta
também sem certos casos começa
por ser
um pequeno filho-da-puta,
e não há filho-da-puta,
por pequeno que seja,
que não possa
vir a ser
um grande filho-da-puta,
diz o grande filho-da-puta.

no entanto, há
filhos-da-puta
que já nascem grandes
e
filhos-da-puta
que nascem pequenos,
diz o grande filho-da-puta.

de resto,
os filhos-da-puta
não se medem aos palmos,
diz ainda
o grande filho-da-puta.

o grande
filho-da-puta
tem uma grande
visão das coisas
e mostra em
tudo quanto faz
e diz
que é mesmo
o grande filho-da-puta.

por isso
o grande filho-da-puta
tem orgulho em
ser
o grande filho-da-puta.

todos
os pequenos filhos-da-puta
são reproduções em
ponto pequeno
do grande filho-da-puta,
diz o grande filho-da-puta.

dentro do
grande filho-da-puta
estão em ideia
todos os
pequenos filhos-da-puta,
diz o grande filho-da-puta.

tudo o que é bom
para o grande
não pode
deixar de ser igualmente bom
para os pequenos filhos-da-puta,
diz o grande filho-da-puta.

o grande filho-da-puta
foi concebido
pelo grande senhor
à sua imagem e
semelhança,
diz o grande filho-da-puta.

é o grande
filho-da-puta
que dá ao pequeno
tudo aquilo de que ele
precisa
para ser o pequeno filho-da-puta,
diz o grande filho-da-puta.

de resto,
o grande filho-da-puta vê
com bons olhos
a multipliccação
do pequeno filho-da-puta:
o grande filho-da-puta
o grande senhor
Santo e Senha
Símbolo Supremo
ou seja, o grande filho-da-puta.




Alberto Pimenta
publicado por CONSTALVES às 14:34
link do post | comentar | favorito
Domingo, 21 de Março de 2004

Maria Teresa Horta

DESPERTA-ME DE NOITE
O TEU DESEJO
NA VAGA DOS TEUS DEDOS
COM QUE VERGAS
O SONO EM QUE ME DEITO
É REDE A TUA LINGUA
EM SUA TEIA
É VICIO AS PALAVRAS
COM QUE FALAS

A TRÉGUA
A ENTREGA
O DISFARCE

E LEMBRAS OS MEUS OMBROS
DOCEMENTE
NA DOBRA DO LENÇOL QUE DESFAZES

DESPERTA-ME DE NOITE
COM O TEU CORPO
TIRAS-ME DO SONO
ONDE RESVALO

E EU POUCO A POUCO
VOU REPELINDO A NOITE
E TU DENTRO DE MIM
VAI DESCOBRINDO VALES.





Maria Teresa Horta
publicado por CONSTALVES às 23:16
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Março de 2004

Joaquim Pessoa

Resistir

Dobrar na boca o frio da espora
Calcar o passo sobre lume
Abrir o pão a golpes de machado
Soltar pelo flanco os cavalos do espanto
Fazer do corpo um barco e navegar a pedra
Regressar devagar ao corpo morno
Beber um outro vinho pisado por um astro

Possuir o fogo ruivo sob a própria casa
numa chama de flechas ao redor.





Joaquim Pessoa, in "Paiol de Pólen"
publicado por CONSTALVES às 12:10
link do post | comentar | favorito

MIGUEL DE UNAMUNO

Virá de Noite...



Virá de noite quando tudo dorme,

virá de noite quando a alma informe

se embuça em vida,



virá de noite com seu passo quedo,

virá de noite e pousará seu dedo

sobre a ferida.



Virá de noite e seu fugace lume

volverá luz todo o fatal queixume;

virá na treva,



com seu rosário, soltará as contas

do negro sol, que dão cegueiras prontas,

e tudo as leva!



Virá de noite que é mãe, caridade,

quando no longe ladre a saudade

perdido agouro;



virá de noite; apagará seu prazo

mortal latido e deixará o ocaso

vazio de ouro...



Virá uma noite recolhida e vasta?

Virá uma noite maternal e casta

de lua plena?



E virá vindo num devir eterno;

virá uma noite, derradeiro inverno...

noite serena...



Virá como se foi, como se há ido

- ressoa ao longe o fatal latido -,

não faltará;



será de noite mais que quando aurora,

virá na hora, quando é o ar quem chora,

e chorará...



Virá de noite, numa noite clara,

noite de lua que ao sofrer ampara,

noite desnuda,



virá, virá... vir é porvir... passado

que passa e queda e que se queda ao lado

e nunca muda...



Virá de noite, quando o tempo aguarda,

quando uma tarde pelas trevas tarda

e espera o dia,



virá de noite, numa noite pura,

quando do sol o sangue se depura,

do meio-dia.



Noite há-de ser enquanto venha e chegue,

e o coração rendido se lhe entregue,

noite serena,



de noite há-de vir... quem há-de vê-lo?

De noite há-de selar seu negro selo,

noite sem pena.



Virá de noite, aquela que dá a vida,

e em que na noite ao fim a a alma olvida,

trará a cura;



virá na noite que nos cobre a todos

e espelha o céu nos reluzentes lodos

em que o depura.



Virá de noite, sim, virá no escuro,

seu negro selo servirá de muro

que encerra a alma;



virá de noite sem fazer ruído,

apagar-se-á nos longes o latido,

virá a calma...

virá a noite...







MIGUEL DE UNAMUNO
publicado por CONSTALVES às 12:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Safo

Toca, minha amiga,

as cordas puras da tua lira.



Já a idade fez secar meu corpo,

embranquecendo-me os cabelos que eram pretos,

tornando-me os joelhos mais que frouxos.



E agora, ó companheira bem amada,

querem levar-te para longe do meu peito,

como fazem também às jovens corças.



Adoro, mais que tudo, a flor da juventude.

Meu coração apaixonou-se pelo sol,

meu coração apaixonou-se pela beleza.





Safo
publicado por CONSTALVES às 11:53
link do post | comentar | favorito

RAINER MARIA RILKE

Hora grave



Quem chora agora em algum lugar do mundo,

sem razão chora no mundo,

chora por mim.


Quem ri agora em algum lugar da noite,

sem razão se ri na noite,

ri-se de mim.


Quem anda agora em algum lugar do mundo,

sem razão anda no mundo,

vem para mim.


Quem morre agora em algum lugar do mundo,

sem razão morre no mundo,

olha para mim.






RAINER MARIA RILKE

(Tradução de José Paulo Paes)
publicado por CONSTALVES às 01:56
link do post | comentar | favorito

LUIS BUÑUEL

Bacanal


Carneiro de 125 pesetas,

caracóis abundantes, manuais como o ventre da mulher de 150 pesetas;

os pães que o pobre come

podem ser amassados desse ventre

e cozidos com fogo de polegares.

Quando cruzamos os polegares para formar uma harpa

renova-se o martírio de S. Bartolomeu,

que, souberam depois, era um diabo

ou um fauno

que se ria da cruz.

Ao morrer comeram-no umas formigas de ouro

que tinham carne de moura

e cu de bailadeira.

S. Bartolomeu e o fauno dançavam

enquanto as pedras saíam disparadas da terra

como beijos atirados com a ponta dos dedos.

Do túmulo de S. Bartolomeu sai uma espiga de bronze

por cada beijo que pôde e não quis roubar.






LUIS BUÑUEL


tradução de Mário Cesariny
publicado por CONSTALVES às 01:48
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 19 de Março de 2004

Antero de Quental

A um poeta

Tu, que dormes, espírito sereno,
Posto à sombra dos cedros seculares,
Como um levita à sombra dos altares,
Longe da luta e do fragor terreno,

Acorda! é tempo! O sol, já alto e pleno,
Afuguentou as larvas tumulares...
Para surgir do seio desses mares,
Um mundo novo espera só um aceno...

Escuta! é a grande voz das multidões!
São teus irmãos, que se erguem! são canções...
Mas de guerra... e são vozes de rebate!

Ergue-te pois, soldado do Futuro,
E dos raios de luz do sonho puro,
Sonhador, faze espada de combate!





Antero de Quental
publicado por CONSTALVES às 12:55
link do post | comentar | favorito

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

O MUNDO É GRANDE

O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.




CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
publicado por CONSTALVES às 12:51
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Caetano Veloso

. Andrea Paes

. Samih al-Qasim

. W. H. Auden

. Ana Marques Gastão

. Eva Christina Zeller

. Casimiro de Brito

. Ana Luísa Amaral

. Fiama Hasse Pais Brandão

. Daniel Faria

.arquivos

. Agosto 2008

. Janeiro 2008

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Abril 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds