Sábado, 31 de Janeiro de 2004

Boris Vian

Tudo foi dito cem vezes

Tudo foi dito cem vezes
E muito melhor que por mim
Portanto quando escrevo versos
É porque isso me diverte
É porque isso me diverte
É porque isso me diverte e cago-vos na tromba



Boris Vian
canções e poemas
publicado por CONSTALVES às 16:22
link do post | comentar | favorito

David Mourão-Ferreira

Ilha

Deitada és uma ilha E raramente
surgem ilhas no mar tão alongadas
com tão prometedoras enseadas
um só bosque no meio florescente

promontórios a pique e de repente
na luz de duas gémeas madrugadas
o fulgor das colinas acordadas
o pasmo da planície adolescente

Deitada és uma ilha Que percorro
descobrindo-lhe as zonas mais sombrias
Mas nem sabes se grito por socorro

ou se te mostro só que me inebrias
Amiga amor amante amada eu morro
da vida que me dás todos os dias




David Mourão-Ferreira
publicado por CONSTALVES às 16:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2004

António Gedeão

Gota de Água



Eu, quando choro.
não choro eu.
Chora aquilo que nos homens
em todo tempo sofreu.
As lágrimas são as minhas
mas o choro não é meu.




António Gedeão
publicado por CONSTALVES às 22:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2004

Sebastião Alba

(o navegador)

Plena, a cidade
navega o dia. Ao lado,
o mar em que verte.
Passa lentamente,
à sombra, imposta,
do seu meridiano.
Só um vidro faísca:
há séculos emite
sinais indecifráveis.




Sebastião Alba
Uma Pedra ao Lado da Evidência
Canpo da poesia
Campo das Letras
publicado por CONSTALVES às 17:17
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2004

A quarta porta

É a solidão
o que o coração procura,
como poderei não
saber o que não sei?

Estou cada vez mais longe de qualquer coisa,
regresserei alguma vez
a tudo o que há-de vir?
O que está atrás de ti

é a tua imagem
que o Futuro persegue.
Este é um lado de tudo
e o outro é o mesmo e o outro.




Manuel António Pina
Poesia Reunida
Assírio e Alvim
publicado por CONSTALVES às 14:39
link do post | comentar | favorito
Sábado, 17 de Janeiro de 2004

Carlos Edmundo de Ory




poema

A minha boca é uma chaga
O meu trabalho é o silêncio
Eu e a noite dormimos juntos
e nunca dormimos


tradução de Herberto Helder
Doze nós numa corda
Assírio e Alvim


Autoelegía

" Mi forma, mi carácter mi deseo,
pensando que la noche azul se ponga
no sueño nada en detrimento mío,
la corona que tengo en la cabeza
la soporto con gran resignación,
soy un rey desterrado en un retrete,
no tengo pantalones y me escondo
debajo de mi cama muerto de hambre,
me alimento de muchas musarañas,
la casa apuntalada de mis versos
es todo mi dominio personal,
y se orina mi alma por mis ojos,
si medito me duermo en un rincón
y el sueño que podía serme útil
se mete en una pierna y no sé en cuál,
mi candor, mi paciencia, mi descuido,
busco trabajo y pierdo mi salud
rezando mientras subo la escalera. "
publicado por CONSTALVES às 11:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 15 de Janeiro de 2004

António de Oliveira Salazar

Antonio de Oliveira Salazar.
Trez nomes em sequencia regular...
Antonio é Antonio.
Oliveira é uma arvore.
Salazar é só apelido.
Até aí está bem.
O que não faz sentido
É o sentido que tudo isto tem.

29-03-1935

---------------------------------------------------------

Este senhor Salazar
É feito de sal e azar.
Se um dia chove,
A agua dissolve
O sal,
E sob o céu
Fica só azar, é natural.

Oh, c'os diabos!
Parece que já choveu...

---------------------------------------------------------

Coitadinho
Do tiraninho!
Não bebe vinho.
Nem sequer sozinho...

Bebe a verdade
E a liberdade,
E com tal agrado
Que já começam
A escassear no mercado.

Coitadinho
Do tiraninho!
O meu vizinho
Está na Guiné,
E o meu padrinho
No Limoeiro
Aqui ao pé,
Mas ninguém sabe porquê.

Mas, enfim, é
Certo e certeiro
Que isto consola
E nos dá fé:
Que o coitadinho
Do tiraninho
Não bebe vinho,
Nem até
Café.

29-03-1935




Fernando Pessoa



Edição Crítica de Fernando Pessoa - Volume I, Tomo V. Edição de Luís Prista. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000.


poemas menos conhecidos...
publicado por CONSTALVES às 18:04
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 13 de Janeiro de 2004

Qui suis-je?




Qui suis-je?
D'où je viens?
Je suis Antonin Artaud
et que je le dise
comme je sais le dire
immédiatement
vous verrez mon corps actuel
voler en éclats
et se ramasser
sous dix mille aspects
notoires
un corps neuf
où vous ne pourrez
plus jamais
m'oublier.

Antonin Artaud
publicado por CONSTALVES às 23:52
link do post | comentar | favorito

Amigo

Mal nos conhecemos
Inaugurámos a palavra «amigo».

«Amigo» é um sorriso
De boca em boca,
Um olhar bem limpo,
Uma casa, mesmo modesta, que se oferece,
Um coração pronto a pulsar
Na nossa mão!

«Amigo» (recordam-se, vocês aí,
Escrupulosos detritos?)
«Amigo» é o contrário de inimigo!
«Amigo» é o erro corrigido,

Não o erro perseguido, explorado,
É a verdade partilhada, praticada.

«Amigo» é a solidão derrotada!

«Amigo» é uma grande tarefa,
Um trabalho sem fim,
Um espaço útil, um tempo fértil,
«Amigo» vai ser, é já uma grande festa!




Alexandre O’Neill, in No Reino da Dinamarca


Quanta falta nos fazem poetas como este, com a intrasigência dos sentimentos
publicado por CONSTALVES às 20:45
link do post | comentar | favorito

Vejam Bem

Vejam bem

Que não há

Só gaivotas

Em terra

Quando um homem

Se põe

A pensar



Quem lá vem

Dorme à noite

Ao relento

Na areia

Dorme à noite

Ao relento

Do mar



E se houver

Uma praça

De gente

Madura

E uma estátua

De febre

A arder



Anda alguém

Pela noite

De breu

À procura

E não há

Quem lhe queira

Valer



Vejam bem

Daquele homem

A fraca

Figura

Desbravando

Os caminhos

Do pão



E se houver

Uma praça

De gente

Madura

Ninguém vem

Levantá-lo

Do chão


José Afonso



Vejam bem, não se paga para ver...

comemorando já os 30 anos do 25 de Abril 74
publicado por CONSTALVES às 13:51
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Caetano Veloso

. Andrea Paes

. Samih al-Qasim

. W. H. Auden

. Ana Marques Gastão

. Eva Christina Zeller

. Casimiro de Brito

. Ana Luísa Amaral

. Fiama Hasse Pais Brandão

. Daniel Faria

.arquivos

. Agosto 2008

. Janeiro 2008

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Abril 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds