Terça-feira, 24 de Fevereiro de 2004

Teixeira de Pascoaes

Poeta



Quando a primeira lágrima aflorou


Nos meus olhos, divina claridade


A minha pátria aldeia alumiou


Duma luz triste, que era já saudade.



Humildes, pobres cousas, como eu sou


Dor acesa na vossa escuridade...


Sou, em futuro, o tempo que passou-


Em num, o antigo tempo é nova idade.



Sou fraga da montanha, névoa astral,


Quimérica figura matinal,


Imagem de alma em terra modelada.



Sou o homem de si mesmo fugitivo;


Fantasma a delirar, mistério vivo,


A loucura de Deus, o sonho e o nada.






Teixeira de Pascoaes
Sempre (1898)
In Poesia de Teixeira de Pascoaes
Org. de Silvina Rodrigues Lopes
Lisboa, Editorial Comunicação, 1987
publicado por CONSTALVES às 00:57
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Caetano Veloso

. Andrea Paes

. Samih al-Qasim

. W. H. Auden

. Ana Marques Gastão

. Eva Christina Zeller

. Casimiro de Brito

. Ana Luísa Amaral

. Fiama Hasse Pais Brandão

. Daniel Faria

.arquivos

. Agosto 2008

. Janeiro 2008

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Abril 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds