Sexta-feira, 12 de Março de 2004

José Agostinho Baptista

Autoretrato
1

Sê quem lê,
decifrador de enigmas.

Folheia-me como uma árvore de folhas soltas,
se é Outono.

Todas as palavras mentem, no interior da sua
obscuridade.
Nada te prende ao verso,
aos seus ínvios caminhos,
às suas seduções de velha prostituta.

Que não cedas a essa luz de remotas lantejoulas,
às flores vivas que segura.

No intervalo das fontes,
nas imediações do rio, temível é a palavra,a
cólera de deus.

Se desceres os últimos degraus,
escutarás essa voz que ecoa nos labirintos e depois
só o fio através das cisternas -
ou talvez nas montanhas de fogo onde não suportarás
a claridade,
queimada de presságios.

Não oiças, não olhes:
ferem-te as palavras do deus e as suas garras de tigre
nos muros de um coração que não o teu:

devorado já pelas páginas que lês,
desprendendo-se das folhas e do outono,
batendo devagar.



José Agostinho Baptista
publicado por CONSTALVES às 11:44
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Caetano Veloso

. Andrea Paes

. Samih al-Qasim

. W. H. Auden

. Ana Marques Gastão

. Eva Christina Zeller

. Casimiro de Brito

. Ana Luísa Amaral

. Fiama Hasse Pais Brandão

. Daniel Faria

.arquivos

. Agosto 2008

. Janeiro 2008

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Abril 2005

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds